Brazil Machinery Solutions

No Sul do Brasil, empresas da indústria de máquinas e equipamentos alavancam as doações de face shields




29 - abril - 2020

As máscaras faciais são utilizadas principalmente por profissionais de saúde que estão na linha de frente no combate ao coronavírus

As máscaras conhecidas como face shields têm se mostrado uma importante ferramenta no combate à disseminação do novo coronavírus. Não à toa, as empresas Automatisa, Tecmatic e TMSA, participantes do Brazil Machinery Solutions — parceria entre a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil) e a Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (ABIMAQ) — estão engajadas em produzir os materiais para contribuir na luta contra o novo vírus.

Escudo facial, assim é chamada a ferramenta na tradução literal do termo em inglês. O equipamento de proteção individual (EPI) é usado principalmente por pessoas que trabalham na área da saúde, como por exemplo, médicos, enfermeiros, auxiliares e fisioterapeutas. O item é utilizado para proteção da área facial e membranas mucosas dos olhos, nariz e boca, contra gotículas, sprays e respingos de fluidos corporais. 

Assim que a situação da disseminação do vírus se tornou alarmante, em meados de março, a Automatisa se engajou no projeto de corte das máscaras. Em uma ação conjunta com a Universidade Federal de Santa Catarina, a empresa realizou o trabalho de molde de 500 viseiras em acetato. Vale ressaltar que a Automatisa é especializada em máquinas de corte a laser. Foi a partir do próprio meio de produção que a fabricante encontrou uma maneira de ajudar.

“Essas ferramentas são importantíssimas para proteger nossos profissionais de saúde na hora do contato com os pacientes infectados. Quando fomos procurados, nós logo nos prontificamos a ajudar”, conta o presidente da Automatisa, Marcos Lichtblau. Todas as peças cortadas para a fabricação das face shields foram fabricadas de acordo com as recomendações da Anvisa e doadas para as prefeituras de Florianópolis e São José, em Santa Catarina.

Atualmente, a fabricante continua produzindo os moldes para as máscaras e também para escudos de proteção, equipamentos que são posicionados a frente de profissionais no serviço de atendimento ao público, como em caixas de supermercados e farmácias. A cada 10 equipamentos vendidos a preço de custo, a Automatisa realiza a doação de um.

Tecmatic

Empresa do mercado de máquinas e equipamentos para móveis, a Tecmatic atua fortemente no Brasil e também tem presença na América Latina, Europa, Ásia, Oriente Médio, Estados Unidos e Canadá. Apesar de parecer fora da sua linha de produção, a fabricante está engajada na produção e doação de face shields para os órgãos de saúde. “Nós pegamos o projeto de impressão 3D e utilizamos de nosso maquinário para produzir as máscaras”, conta o diretor executivo da empresa, Marcos Müller.  Até agora, 50 peças já foram doadas e a empresa produz 25 novas máscaras por semana. 

Além das face shields, a Tecmatic também se prontificou em produzir leitos e itens de suporte hospitalares para o hospital de campanha que deverá ser construído em Santa Catarina. A empresa está disposta a vender esses materiais a preço de custo para ajudar a equipar o hospital rapidamente. 

TMSA

Especializada em soluções tecnológicas para movimentação e processamento de granéis, a TMSA é presente em países do Mercosul e América Latina, com exportações também para os Estados Unidos, Canadá, Europa, Rússia, China, e alguns países africanos. Diante do cenário de pandemia, a fabricante não pôde deixar de se mobilizar.

Ela está envolvida no movimento Brothers in Arms – Voluntários contra a COVID-19. A missão do grupo do Rio Grande do Sul é dar suporte às equipes de saúde e ao Poder Público, identificando as necessidades de equipamentos para as emergências. A TMSA optou por fazer a contribuição de recursos para alavancar a compra e doações dos protetores face shields.