Brazil Machinery Solutions

CNI lança estudo “Desafios à Competitividade das Exportações”




13 - dezembro - 2018

A Confederação realizou a pesquisa em parceria com a Fundação Getúlio Vargas.

Com o objetivo de mobilizar a indústria a elaborar estratégias de melhoria eficazes e influenciar políticas públicas voltadas à superação de desafios relativos às exportações brasileiras, a  Confederação Nacional da Indústria (CNI) lançou, na primeira semana de dezembro, sua pesquisa bi-anual sobre os “Desafios à Competitividade das Exportações”. O estudo, que foi realizado em parceria com a Fundação Getúlio Vargas, é considerado o maior levantamento realizado no Brasil com as empresas exportadoras com margem de erro inferior a 4%, e é realizado desde 2016.

Para esta edição, a amostra utilizada foi composta por empresas exportadoras brasileiras, extraídas do Catálogo de Exportadores Brasileiros da Confederação, formado por empresas cujo valor médio exportado no biênio 2015/2016 tenha sido igual ou superior a US$ 80 mil. Foram ouvidas 589 empresas, das quais 77% são médias, pequenas e microempresas. Em geral, são exportadoras com mais de 10 anos de experiência e que vendem seus produtos para até cinco mercados externos.

Os indicadores estão divididos nos grupos “Perfil das Empresas Exportadoras Brasileiras” e “Obstáculos às Exportações”, criados a partir de dados coletados entre outubro de 2017 e março de 2018, sendo que o tratamento dos dados ocorreu durante o primeiro semestre de 2018. Além dos resultados gerais, estão disponíveis resultados por porte de empresa, por região geográfica e por qualquer combinação entre essas duas características.

Com relação aos resultados quanto aos mercados internacionais, os principais identificados na pesquisa para a negociação de acordos de livre comércio são os Estados Unidos e a União Europeia. Já quanto às dificuldades para nossas exportações, a pesquisa traz os diversos entraves identificados no estudo, sendo que os principais são:

  1.  Elevadas tarifas cobradas por portos e aeroportos (51,8%)
  2.  Dificuldade de oferecer preços competitivos (43,4%)
  3.  Elevadas taxas cobradas por órgãos anuentes (41,9%)
  4.  Custo do transporte doméstico (41%)
  5.  Baixa eficiência do governo para superar entraves internos à exportação (39,4%)

Visualize os dados da pesquisa por meio do link abaixo: NAVEGUE PELOS RESULTADOS