Brazil Machinery Solutions

A retomada da exploração de gás e petróleo na Colômbia Perspectivas e oportunidades para a indústria brasileira




08 - abril - 2021

Novos investimentos anunciados na exploração de gás e petróleo, além da aposta em modelos não-convencionais de produção dão novo ritmo ao setor no país

Em conversa com o Chefe do Setor de Energia, Economia e Agricultura da Embaixada do Brasil em Bogotá, Eduardo Moretti, o Blog do Brazil Machinery Solutions apresenta informações a respeito das perspectivas da indústria de exploração e produção de petróleo e gás na Colômbia. Considerando as perspectivas positivas do setor e a recente recuperação dos preços do barril de petróleo, a Colômbia pode constituir um mercado promissor para o comércio de máquinas e equipamentos brasileiros voltados ao setor de hidrocarbonetos, bem como para o fornecimento de bens e serviços. A perspectiva de aumentar a produtividade e facilitar a incursão do país em modelos não-convencionais para a exploração e produção de petróleo e gás constituem também oportunidade para cooperação, em vista do destacado conhecimento e expertise que a indústria brasileira tem na exploração e produção offshore, bem como na integração entre as tecnologias de biocombustíveis e da indústria de hidrocarbonetos. 

País mais populoso da América Andina, com parte importante de sua costa ao longo do Caribe, a Colômbia conta com reservas comprovadas de 2,04 bilhões de barris de petróleo equivalentes (bpe). Para Eduardo Moretti, é importante recordar que o setor de hidrocarbonetos possui protagonismo relevante na estrutura produtiva colombiana, ao representar cerca de 50% das exportações do país. Atualmente, o país conta com 33 projetos de hidrocarbonetos em andamento que geram 54 mil empregos e representam investimentos da ordem de US$ 10 bilhões, segundo declarações do vice-ministro de Energia da Colômbia, Miguel Lotero, no âmbito da “III Cúpula Petróleo e Gás”, celebrada em novembro de 2020. A Colômbia já conta com regulamento técnico aprovado para exploração de jazidas não-convencionais (YNC) por “fracking” e existe expectativa em torno do início dos primeiros projetos de exploração “offshore” do país, que poderiam começar a funcionar já na segunda metade de 2021. 

Segundo a Associação Colombiana do Petróleo – ACP, a Colômbia manteve nos últimos anos ritmo exploratório variando entre 40 e 50 poços/ano, mas teria potencial para aumentar essa margem em até 3,3 vezes no curto prazo. O sindicato das empresas petroleiras estima que em 2021 haverá atividade mais intensa do que a observada ao longo de 2020. O país tem volume importante de hidrocarbonetos a serem descobertos, razão pela qual avalia que em 2021 o setor receberá investimentos entre US$ 3,1 bilhões e US$ 3,45 bilhões em exploração e produção, apesar de incertezas geradas pela pandemia e pela volatilidade dos preços de petróleo. A ACP estima também que cerca de US$500 milhões seriam investidos em exploração e produção de gás natural, comenta Moretti.

Questionado quanto às ações que visam promover o setor no período de pandemia, o Chefe do Setor de Energia, Economia e Agricultura menciona que diferentes alternativas foram impulsionadas para promover a reativação do segmento no curto prazo, tais como: “Enhanced Oil Recovery (EOR)”, exploração continental, YNC e a exploração “offshore”. O governo, simultaneamente, tem promovido nova política energética que pretende diversificar o setor de hidrocarbonetos ao integrar campos petrolíferos, parques de energias renováveis e plantações para a geração de biocombustíveis, a fim de obter uma matriz energética mais versátil.

Desde 2017, a Colômbia adotou o chamado “Proceso Permanente de Asignación de Áreas (PPAA)” – modelo de adjudicação que começou a ser implementado em substituição à anterior modalidade de “Rodadas” bienais. O novo modelo estabelece que as autoridades colombianas determinam, delimitam e classificam as áreas para o desenvolvimento das atividades de exploração e produção de hidrocarbonetos em um instrumento denominado “Mapa de Tierras”, com base em critérios normativos, técnicos, ambientais e sociais. O “Mapa de Tierras” é atualizado periodicamente – tendo a última atualização ocorrido em março de 2020 – e a inclusão das áreas pode ser realizada por iniciativa do próprio governo ou de os privados interessados em desenvolver projetos exploratórios e de produção. 

A adjudicação das áreas de exploração e produção de hidrocarbonetos é realizada em ciclos, sem periodicidade pré-determinada (em 2020 foram realizados 3 ciclos). Em 25 de março, em evento virtual de pré-lançamento do ciclo Rodada Colômbia 2021, organizado pela Agência Nacional de Hidrocarbonetos (ANH), foi apresentado o portfólio de oportunidades de concessões de exploração de áreas offshore e continentais no setor de petróleo e gás. No evento, informou-se que serão disponibilizadas 32 áreas em 10 bacias, sendo 12 contratos de avaliação técnica (TEAs) e 20 contratos de exploração e produção (E&P), de acordo com Eduardo Moretti.

O governo colombiano lançou também, ao final de 2020, o “Plano 2040” para o desenvolvimento do setor petroleiro nos próximos 20 anos, que dentre seus objetivos tem: o aumento da produção de petróleo de cerca de 800 mil barris/dia para um milhão de barris/dia; a assinatura de 25 contratos por ano; e, a meta de atingir entre US$ 60 e 70 milhões em investimentos diretos para o setor. O plano irá privilegiar o acréscimo de áreas remanescentes por meio da adequação do regime de contratação e da regulamentação aplicável ao setor e contemplará 4 eixos estratégicos: i) investimento em conhecimentos geológicos; ii) transformação tecnológica; iii) alianças estratégicas; e iv) liberação e redefinição das áreas do “Mapa de Tierras”. A ANH esclareceu que, por meio da implementação do “Plano 2040”, promoverá modelo de contratação que avalie a competitividade do setor petrolífero colombiano em forma dinâmica, com visão clara do processo de transição e diversificação energética que acontece no mundo e no continente americano. 

Ainda segundo Moretti, as autoridades mineiro-energéticas colombianas recentemente anunciaram campanha exploratória “offshore” para 2021, com previsão de investimentos que ultrapassam US$ 1,9 bilhão e mais outros compromissos estimados em US$ 940 milhões para atividades em áreas continentais.  Ademais, informaram que terá início, em 2021, a primeira perfuração de jazidas pilotos, de caráter científico, usando a técnica de fraturamento hidráulico – “fracking”, com as quais se projetam investimentos entre US$ 400 e US$ 650 milhões. Destacam-se ainda o potencial das bacias “offshore” colombianas, bem como o projeto para transformar a região Caribe do país em grande “hub” de bens e serviços petrolíferos.

No que se refere aos projetos de “fracking” hidráulico, a Ecopetrol já assinou o primeiro contrato com a ANH, no valor de US$ 76 milhões. Intitulado Kalé, o projeto será desenvolvido na bacia do rio Magdalena. No entanto, a Ecopetrol não seria a única interessada em participar nos projetos pilotos usando essa técnica, uma vez que grandes players internacionais como a ExxonMobil Exploration Colombia Limited, a Drummond Energy INC, e a Tecpetrol Colombia S.A.S. (filial argentina do grupo energético ítalo argentino Techint) já estão habilitadas para participar no segundo ciclo de “Contratos Especiais de Projetos de Investigação-CEPI”, cujo resultado deverá ser anunciado em fins de março de 2021. Esses projetos pilotos de investigação para a exploração de recursos não convencionais de petróleo e gás (“yacimientos no convencionales – YNC”) têm por objetivo avaliar a capacidade técnica, operacional, ambiental e social da eventual exploração usando o “fracking” no país.

Facebook: https://www.facebook.com/BrasilBogota/

Twitter: https://twitter.com/BrasilBogota

Instagram: https://www.instagram.com/brasilbogota/

Youtube: https://www.youtube.com/channel/UCfYqGhvfrJ2AV-7C1HrHpng/

Site oficial: http://bogota.itamaraty.gov.br/pt-br/

serviços.

_______________________________________________________________________

Raio-X Colômbia

População: + de 50 milhões de habitantes

Capital: Bogotá

Maior Cidade: Bogotá

Feiras do setor plástico: Uma das principais feiras colombianas voltadas ao setor plástico é a ColombiaPlast, que acontece sob o guarda-chuva da Feira Internacional de Bogotá (FIB). A feira, organizada pela Acoplásticos, contou com a participação de 117 empresas expositoras e mais de 43 mil visitantes na edição de 2018. A edição de 2021, inicialmente prevista para acontecer entre 21 e 24 de junho, foi postergada e deverá acontecer entre 26 e 30 de setembro de 2022, na capital colombiana.

Feiras do setor plástico: A maior feira para o setor de plástico e embalagens realizada na Colômbia é a AndinaPack, prevista para acontecer entre 9 e 12 de novembro deste ano. Realizada a cada dois anos, a AndinaPack 2019 reuniu aproximadamente 550 expositores de 25 países, além de 18 mil visitantes de 50 países.

Feiras do setor agrícola: Com edições cada vez maiores desde a primeira edição, em 2014, a Expo Agrofuturo acontece anualmente, revezando suas edições entre Medellín e Bogotá. Em 2020, a feira foi organizada de maneira virtual, mas conta com previsão de uma edição presencial entre 8 e 10 de setembro de 2021 em Medellín. Em 2019, a feira reuniu mais de 12 mil visitantes de 37 países, além de mais de 2000 expositores.

Feiras do setor agrícola:  A mais tradicional feira do setor agrícola e pecuário na Colômbia, a Agroexpo se consolidou, desde 1977, como uma das mais importantes do continente. Realizada a cada 2 anos em Bogotá, a Agroexpo tem previsão de acontecer entre os dias 15 e 25 de julho de 2021. A edição 2019 da feira contou com mais de 600 expositores e mais de 160 mil visitantes em 10 dias de evento, recebendo muita atenção da mídia local.

Feiras do setor de máquinas-ferramenta e multissetorial: A Feira Internacional de Bogotá (FIB) é um evento garantido no calendário da capital colombiana. Acontecendo bienalmente, a feira terá em 2022 sua 33ª edição. A FIB hoje engloba outras feiras dentro do seu guarda-chuva de atividades, sendo um espaço de negócios estratégico para o setor de máquinas e equipamentos industriais, inovações tecnológicas, componentes, serviços e matéria-prima. A edição de 2018 contou com mais de 700 expositores e mais de 45 mil visitantes. A edição de 2021, inicialmente prevista para acontecer entre 21 e 24 de junho, foi postergada e deverá acontecer entre 26 e 30 de setembro de 2022, na capital colombiana.